O meu milagre da manhã

Desde que o livro “O Milagre da Manhã” foi lançado, vejo pessoas cultivando ou tentando implantar o hábito de ter o seu milagre da manhã. Para quem não leu, o “milagre” consiste em em acordar cedo e estabelecer passos na rotina matinal que visam proporcionar melhorias em várias áreas da vida. Li o livro e sinceramente não consigo atrelar o sucesso da vida, às práticas matinais propostas. Mas desde que li, comecei a prestar atenção nesse período do dia.

Sempre gostei muito de dormir e se eu dormir pouco, as horas de sono me fazem falta. Mas apesar disso, sou mais produtiva de manhã. Sempre estudei de manhã, nunca fui aquela que entrava madrugada a dentro estudando, não conseguia. E depois que li o livro, fiquei buscando aproveitar melhor esse período que é antes de sair para o trabalho.

De maneira forçada, acordo muito cedo. Digo forçada porque não foi uma ideia espontânea minha. Levanto às 5:20h por causa dos horários do Davi. Às 5:45h ele já está na mesa comendo, porque o transporte escolar passa às 6:17h. (Não é nem 6:15h e nem 6:20h, é 6:17h mesmo, impreterivelmente). Então, tenho um período livre, de silêncio e sozinha depois que ele sai.

Esse intervalo livre são 40 min, em algumas situações já voltei e dormi mais um pouquinho. Ultimamente não tenho feito isso, porque não houve necessidade, tenho preferido aproveitar de outro jeito. Antes eu descia com qualquer roupa e depois trocava a roupa do trabalho depois. Esses dias, vi que não faz muito sentido, então já tenho descido com parte da roupa que vou trabalhar e ganho um tempinho. Parece pouco, mas esses minutos rendem muito: preparo um chá ou café e faço minha devocional diária, que consiste na leitura da página correspondente aquele dia. Depois da leitura, oro, ou melhor, escrevo minha oração. Vi que assim não me distraio e foco somente na oração. Às vezes leio outras partes da Bíblia ou algum outro livro. Escrever a oração foi uma dos melhores hábitos que adquiri para esse momento. E só então, acordo a Fê, faço um chamego nela e enquanto ela toma café, eu preparo e tomo o meu, e vou terminando de me arrumar junto com ela.

Tenho conseguido manter essa rotina de maneira que tem me agradado muito, óbvio que 100% dos dias não é factível. Precisar de horas de sono, não tem a ver com a hora em que acordamos e sim com a quantidade de horas dormidas (demorei a aprender isso com o meu marido). Então, para isso dar certo eu não posso dormir tão tarde. Mas na minha casa temos o hábito de dormir cedo, isso não é problema. E dessa forma tenho conseguido cumprir duas coisas que são muito importantes para os meus dias: ter um momento devocional e ler alguma coisa.

Tenho um desafio que é não utilizar o celular durante esse período e começar assim a diminuir o tempo gasto em redes sociais e whatsapp. Esse é bem difícil para mim, mas aos poucos, chego lá também.

 

Grande conquista por aqui

Sempre comprei livrinhos para o Davi, desde pequeno o incentivei com isso e é hábito nosso ler historinha antes de dormir. Ele também usa os livros para passar o tempo enquanto está no banheiro (rs!). Isso foi algo que eu queria fazer e de fato consegui, que ele se interessasse e gostasse dos livros.

Quando ele começou a ser apresentado ao mundo das letras na escola, tivemos uma reunião para entender como seria, como era o método, o que era escrita espontânea e como eles trabalhavam a escrita e leitura, uma vez que a escola não vai até o 1º ano. Juro que inicialmente achei que não daria certo, porque é muito diferente de como eu fui ensinada. Eu e meu marido duvidamos um pouco do resultado da maneira adotada, mas ao mesmo tempo dava uma tranquilidade saber que outras escolas também fazem isso, que o nosso método, quase matemático de B + A= BA é de fato coisa do passado.

Davi aprendeu a escrever seu nome, que vamos combinar que é bem fácil né? Fernanda já terá mais dificuldade nessa tarefa inicial. E isso já me deixou bem feliz. Começou a se interessar cada vez mais pelas letras, sempre me perguntando como escrevia alguma coisa e falando as letras que via. Aos pouco foi evoluindo consideravelmente, até que um dia estávamos num restaurante e ele me falou “Mamãe, ali está escrito CAXIA”. Na verdade, era caixa, mas já considerei aquilo um feito. E desde então, não parou mais e sai lendo várias palavras por aí.

Pensa num orgulho e uma alegria que me faz sorrir sozinha pensando que o meu menino, meu bebê aprendeu a ler? Demais! Não houve forçação, nem nossa e muito menos da escola. Cada criança tem seu tempo, suas preferências e o tempo do Davi chegou. Bem antes do que eu imaginava, confesso. Mas foi muito natural. É óbvio que está no início, mas posso considerar que meu filho consegue ler. E isso é incrível.

Amo os livros, o que eles representam, o que eles podem proporcionar e espero que meus filhos tenham sempre esse mesmo sentimento. Feliz demais com a conquista do meu pequeno, com a parceria mais uma vez acertada com a escola que eu escolhi lá no passado, quando ele ainda nem sabia sentar.  Feliz em ver a carinha de contentamento que ele faz quando decifra aquilo que até algumas semanas atrás eram apenas códigos. Feliz em poder vivenciar uma conquista tão importante na vida dele, da nossa família. Tem coisas que de fato só a maternidade é capaz de proporcionar nessa intensidade.