O futebol

davi futDesde que Davi começou a escolinha de futebol que ele demonstra evolução no futebol em si, nas técnicas digamos assim. Mas muito mais que isso, ele passou a se interessar muito pelo assunto.

Bem verdade que o pai tem influenciado, o principal motivo acredito que seja porque ele quer que o Davi permaneça flamenguista mesmo morando aqui em São Paulo e não tendo nenhum amiguinho que torça para o time carioca. E depois, ele trabalha com esse universo do futebol então é um assunto que ele precisa saber o que está acontecendo, então sempre acompanha as notícias e jogos. Esse ano foi assistir Flamengo no Maracanã e ficou com o pai na área VIP, até foto com o Diego (um dos principais jogadores do Flamengo) ele tirou. Voltou rouco e cantando todas as musiquinhas de torcida. Uma graça! Nessa mesma ocasião, ele poderia ter entrado com os jogadores em campo, mas não quis ficar sozinho, não queria “ficar sem o papai”. Tentamos convencê-lo de todo jeito, mas não deu e respeitamos.

Davi passou a assistir jogos sozinho, jogos nada a ver. Por várias vezes ele tem ligado a TV direto no SporTV e não mais no Discovery. Hoje de manhã ele estava assistindo Amigos do Jô x Amigos do Fabrício, não faço ideia de quem sejam os dois. E no fundo, nem ele, mas pouco se importa com isso. Até mesa redonda ele estava assistindo espontaneamente outro dia. Inacreditável.

Acho fofo esse ponto a mais que se criou na relação com o pai, o modo que eles conversam sobre isso, a maneira como o Davi reage aos jogos imitando o jeito do pai. E que essa mudança e interesse dele em relação ao mundo do futebol foi totalmente incentivado por nós, poderia não ter se identificado, claro. Mas o fato é que nós podemos influenciar muito nossos filhos, podemos verdadeiramente moldá-los e meu desejo é que nós aqui possamos aproveitar essa chance, oportunidade, que temos nas mãos de ensiná-los a serem homens e mulheres de bem, gentis, amáveis e tementes a Deus. E isso tem que ser intencional, temos que intencionalmente nos dedicarmos a isso. O tempo passa muito depressa e eles têm sido bombardeados por coisas que não valem à pena.

A aula teste de futebol

Era só uma aula teste na escolinha de futebol hoje pela manhã. Mas ver meu mais velho, às vésperas de completar 5 anos, naquela quadra me emocionou. Ele está crescendo tão rápido, o tempo passa tão depressa que dá uma angústia no peito às vezes e tenho certeza que outras mães concordam comigo. É uma bênção ver diariamente esse crescimento, cheio de novidades, de descobertas, de frustrações, mas isso por vezes dá um nó na garganta e enche meu olho de lágrimas.

Achei demais a aula. Nada de inovador, mas o esporte traz tanta coisa boa a ser aprendida que na aula teste estava certa de aquilo faria muito bem para ele. Estar com outras crianças, mais velhas já que ele é por enquanto o caçula da turma vai ser produtivo. Ter de se submeter a outras regras, a outra liderança também. Além de aprender os fundamentos do futebol em si. Mas, no fundo, acho os outros aprendizados mais relevantes do que “não chutar a bola com o bico do pé e sim com a chapa do pé”.

Do banco algumas vezes eu me meti, corrigindo alguma coisa que ele estava fazendo, mas depois percebi que definitivamente aquele não era o meu papel ali. Eu era apenas uma expectadora. A partir daí, me comportei e não me meti mais. Só me meti quando precisava carregá-lo para beber água, porque nem lembrei de levar uma garrafinha e ele ainda não dava pé para o bebedouro que tinha.

Teve uma hora que ele bateu uma lateral e a bola bateu com força num outro menino, daí o jogo parou alguns minutos. Não foi nada sério, o menino saiu jogando logo depois. Mas enquanto o professor verificava se estava tudo bem, Davi virou de costas para o campo, apoiou a mão na grade e começou a chorar. Eu de longe, pensei: Eu sabia que ele ia chorar! Minha vontade era ir lá, dar um abraço nele e falar que estava tudo bem, pois tinha sido sem querer. Mas novamente não era o meu papel, outras crianças fizeram isso e os professores também: “Normal, Davi. Isso é coisa do jogo mesmo.” Uma das várias lições aprendidas do dia.

Meu pequeno está ficando um menino grande, quando fico contemplando ele dormindo sempre me dou conta disso, o corpinho cada vez mais comprido deitado na cama. Hoje foi mais um dia de novidades, de pessoas diferentes e uma nova experiência juntos. E que Deus siga nos proporcionando tantas coisas novas juntos. No futuro, quero ter muita história para contar.