Somos diferentes por sermos mães

Não é fácil criar filhos. Cuidar de uma criança é relativamente fácil, embora eu só tenha descoberto isso conforme os anos foram passando e essa fase foi ficando para trás. A fase de “apenas” manter o bebê alimentado, com o sono em dia e limpinho. A exigência é física. Muita exigência, mas física e não mental. Eles vão crescendo e ficando independentes para algumas coisas e, com isso, nos dando uma folga quanto à dedicação física.

O fato é que não é fácil ter filhos. Não mesmo. Uma simples tarefa pode se tornar complexa simplesmente pelo fato de ter uma criança envolvida, ou mais de uma, como é meu caso. Às vezes, olho a vida de mulheres sem filhos e tenho a sensação de que elas são livres. Essa parte eu confesso que invejo um pouco. Não, não trocaria, talvez fosse desnecessário até dizer isso, mas vai que… Melhor deixar claro.

Mas, a maternidade embora nos limite sob alguns aspectos, nos expande em muitos, muitos outros. E sem dúvida o saldo é positivo, na minha opinião. Nem estou falando do amor e da experiência indescritível que é gerar e ter filhos. Mas digo do que a maternidade é capaz de desenvolver em nós como seres humanos.

Por mais egoísta que sejamos, ser mãe por muitas vezes nos tira dessa posição, porque involuntariamente pensamos primeiro em outra pessoa, buscamos primeiro o bem estar de outra pessoa e damos nosso melhor para viabilizar isso. Ficamos em segundo plano e aprendemos a nos virar com isso e essa nossa realidade, sem nos negligenciarmos por completo. As escolhas não são mais solitárias, individuais, mesmo que seja escolher a que horas vou fazer a unha.

Aprendemos a nos superar a cada dia, porque ninguém nos ensina a ser mãe. E ainda que alguém ensinasse, não seria suficiente. Mesmo com o segundo filho, muita coisa não sendo novidade, é preciso a superação. Porque o segundo filho é outro indivíduo, com outra personalidade e característica, que exige de nós outra postura, outra dose de paciência e resiliência. Cada fase nova que o filho entra, a gente tem que se reinventar, pesquisar, se adaptar, pensar, quebrar paradigmas. Aprendemos a jogar o jogo jogando. Não tem treino. Na hora em que o bebê nasce, o médico deveria gritar: “Valendooooo!”

Sem falar na capacidade de estar atenta às emoções de uma outra pessoa, a gente aprende a conhecer e interpretar nossos filhos pelo jeito que eles olham, como respondem, como se sentam à mesa. Desde sempre, a gente se exercita tentando entender porque choram, o que eles querem dizer quando só falam: “Dodói!” ou quando a gente sabe que aconteceu algo e eles dizem: “Não foi nada”

Não é fácil mesmo! Quando nos tornamos mães não temos a menor noção do que está por vir, no fundo ainda não tenho porque meu mais velho tem apenas 5 anos. Mas uma mulher que tem filhos tem um diferencial, devia estar no RG informando isso. Devia estar no currículo. Algo que rapidamente informasse o mundo que somos mães, ou para que ele nos desculpasse, relevasse determinadas atitudes ou nos desse o crédito que nos é devido. Não que sejamos melhores que as demais, nunca seremos. Mas somos diferentes, porque somos mães. Sem dúvida alguma.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s