“Temos um probleminha”

Na metade da gravidez, ao realizar uma ultra para ver se estava tudo ok com o bebê, o médico que estava super atencioso explicando as coisas com bastante detalhe, parou e disse: “Hum…estou vendo um probleminha aqui.” “Oi??? Tá me zoando né? Como assim, probleminha?” – Isso passou na minha cabeça, mas calmamente perguntei o que era.

Tratava-se de um “probleminha” no rim. Os dois rins da Fernanda estavam com o dobro do tamanho que deveriam estar, deveriam medir 4mm e estavam com 8 e 10 mm. Medicina sinistra! Incrível a possibilidade de perceber isso e fazer qualquer alerta para algo que mede 4mm. Não era possível naquele momento dizer o que causava aquilo, apenas suposições. Mas o médico continuou com sua postura atenciosa, não me apavorou, tentou ao máximo me tranquilizar, porque todo o restante daquele corpinho estava funcionando bem, inclusive a própria bexiga. E também era possível afirmar que ela fazia xixi normalmente. Coração e demais órgãos perfeitamente normais. Mas ficou indicado que eu consultasse um médico mais especialista em medicina neonatal e repetisse o exame em alguns dias.

Sai de lá bem preocupada, dei uma choradinha, várias choradinhas em casa e uma sensação de impotência e insegurança, porque de fato não havia nada que pudesse fazer a não ser aguardar próximos exames e avaliações. E claro, muita oração para que Deus, o único que podia fazer algo, fizesse.

Minha médica também me tranquilizou e me recomendou alguns médicos para realizar as próximas ultras e assim fui. Fiz mais duas num intervalo de tempo bem mais curto e ambas foram comprovando que o quadro não piorava, os rins permaneciam do mesmo tamanho e hoje já podem ser considerados normais. Ufa! Quando ela nascer provavelmente terá que ver como está tudo, mas hoje podemos afirmar que está tudo bem. Nesse meio tempo, descobri que ultrassom é caro, meu plano não cobria o laboratório dos médicos indicados, mas pouco importava também, só precisava saber como essa garota estava se comportando aqui dentro. Descobri também que isso é comum, acontece com outros bebês sem que seja algo comprometedor, se normaliza com o andar da gravidez. Mas mesmo assim, a sensação foi ruim. Todos disseram que caso tivesse que se submeter a alguma intervenção assim quem nascesse seria muitíssimo simples, não precisava se preocupar. Mas como que não se preocupa, gente?

De tudo isso, fiquei feliz e grata a Deus com a precisão e evolução da medicina. São muitos detalhes possíveis de serem vistos, checados mil vezes. Coisas que eu nem faço ideia direito. E mais grata ainda por ter acesso e possibilidade de ser acompanhada por pessoas experientes.

A gravidez é um dos momentos mais expressivos de dependência e manifestação de Deus, Ele é o único que pode interferir na formação dela, o único que conhece seu rosto de verdade, que pode preservá-la de qualquer coisa. E vivi isso um pouquinho mais intensamente nessa segunda. Continuo orando para que Fernanda venha perfeita e saudável (além de boazinha, que durma e coma bem também…). E, como não podia ser diferente, até aqui Ele tem nos sustentado. É muito bom poder descansar e confiar na fidelidade de Deus!

Um comentário sobre ““Temos um probleminha”

  1. Helena disse:

    Ela vira linda, delicada e boazinha….rsrsrs….se Deus permitir…..rsrsrs….mas independente de como venha continuaremos amando-a cada dia mais e mais…. Ai Rafa, vontade de pegar essa menina no colo….rsrsr

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s